Encontro de carácter decisivo para o HCT na deslocação à cidade do Porto, para defrontar o Clube Infante Sagres, penúltimo classificado com apenas sete pontos somados e triunfo por 3-5, com exibição q.b. dos comandados de Nelson Lourenço. A entrada no primeiro tempo não foi “famosa” por parte dos alvinegros, mas o adversário não conseguiu aproveitar esse mau começo e antes do intervalo surgiu um tento solitário de Luís Silva que deixou os forasteiros em vantagem à saída para os balneários. A segunda metade teve um cariz completamente diferente, os da casa ainda chegaram à igualdade, mas o “instinto matador” do capitão turquelense, Vasco Luís, frustrou qualquer tipo de crença aos da casa e o “poker” conseguido pelo camisola nove turquelense serviu para colocar o resultado em 3-5 e dar aquela que foi apenas a primeira vitória fora de portas dos da “aldeia do hóquei”, em jogos a contar para o Nacional da 1ª Divisão, em 2017/2018. Destaque ainda para a chamada de Lucas Ferreira, guardião dos Sub-17 do clube, que com apenas 15 anos, 6 meses e 14 dias acabou por se tornar no atleta mais jovem de sempre a atuar pelo clube na 1ª Divisão, ele que entrou na convocatória depois do falecimento do pai de Samuel Santos e entrou em rinque após Tuga ter visto uma cartolina azul. O jovem alvinegro mostrou frieza e acabou mesmo por defender uma penalidade e ainda a recarga, contribuindo de forma fantástica para a vitória da sua equipa.

Primeiro tempo atípico, com entrada muito “tolhida” por parte dos turquelenses, que impuseram um ritmo baixo, jogando ao sabor do que o adversário queria para o jogo, tendo em conta que, para esta partida, a equipa do Infante Sagres viu-se privada de Rui Tiago Pinheiro por castigo federativo e de Celso Silva e do capitão João Pinheiro, ambos por lesão. Com poucas opções reais no banco, o experiente técnico dos portuenses, Fernando Almeida, sabia que tinha de pausar o jogo e de ir levando as incidências do encontro sempre com a sua equipa dentro do resultado. Até certo ponto os intentos dos visitados foram conseguidos, mas muito por culpa dos visitantes que só acordaram nos últimos dez minutos do primeiro tempo, conseguindo duas bolas no ferro da baliza de Joka, uma por André Moreira e outra por Luís Silva, sendo que já anteriormente João Candeias e Bruno Fernandes também tinham acertado nos postes da baliza de Tuga. A cerca de oito minutos do descanso, num ataque rápido de 2x2, Vasco Luís atirou forte da direita, Joka defendeu para a frente e Luís Silva chegou primeiro ao ressalto para inaugurar o marcador e colocar os alvinegros em vantagem por 0-1. O intervalo chegou e a primeira parte não deixou saudades.           

Na etapa complementar tudo foi diferente, pois ambos os conjuntos foram em busca de retificarem as prestações rubricadas nos primeiros vinte e cinco minutos e isso trouxe mais alegria aos rostos daqueles que pagaram bilhete para assistir à partida. Logo aos dois minutos, João Candeias entrou pela direita do seu ataque e parece ter sofrido um toque de Vasco Luís, já no interior da área de Tuga. Paulo Santos, um dos árbitros da partida, não parece ter tido dúvidas e assinalou de imediato a penalidade que o próprio João Candeias se encarregou de transformar em golo, fazendo o momentâneo 1-1. Os “brutos dos queixos”, cientes de que aquilo que tinham feito no jogo até então não era suficiente, partiram atrás de outro resultado e viram João Candeias ser admoestado com uma cartolina azul um minuto depois de ter feito o golo do empate, por um desentendimento com Luís Silva. O azul foi mostrado com o jogo parado e por isso não houve lugar a livre direto, mas o Infante Sagres jogaria com menos um elemento em rinque, pelo menos durante dois minutos. No entanto, a situação de Power-Play acabou por não ser aproveitada pelos comandados de Nelson Lourenço que tiveram oportunidades de sobra de voltarem a colocar-se em vantagem, mas lograram consegui-lo já depois dos visitados terem a paridade reposta, com André Moreira a descobrir Vasco Luís na cabeça da área e este último a disparar forte para fazer o 1-2 e iniciar uma tarde “arrasadora”, no que a golos diz respeito. Quatro minutos depois João Campelo jogou uma bola com o stique elevado, no interior da sua área, e a devida penalidade foi assinalada a favor dos turquelenses. O capitão Vasco Luís voltou a assumir a responsabilidade e “fuzilou” Joka, “bisando” no encontro e dando uma vantagem de 1-3 aos da aldeia do hóquei. Cinco minutos volvidos e novo golo forasteiro, desta feita com muita sorte à mistura, pois num lance em que Vasco Luís tentava assistir Daniel Matias no interior da área do Infante, Nuno Barata, inadvertidamente, desviou a bola para a sua própria baliza, depois de esta ter saído do stique de Vasco Luís e “traiu” o seu guarda-redes, dando o “hat-trick” ao capitão alvinegro e o momentâneo 1-4. O jogo estava numa parada “frenética” e um minuto depois Pedro Vaz também jogou a bola com o stique elevado dentro da sua área. Na tentativa de conversão do respetivo penalty, o capitão do Infante, Carlos André Rodrigues, não conseguiu levar a melhor perante a oposição de Tuga. Contudo, no mesmo minuto, o mesmo jogador redimiu-se, após receber uma assistência na direita de Tiago Ferraz e atirar a contar para reduzir diferenças e fazer o 2-4. Mas logo de seguida caiu a 10ª falta de equipa dos visitados e Vasco Luís, chamado mais uma vez a assumir a responsabilidade, não vacilou perante Joka e anotou o seu segundo “poker” da temporada, depois de na 2ª jornada ter feito os mesmos quatro golos num jogo, em casa frente ao Paço de Arcos. Com apenas sete minutos por jogar, pensava-se que o encontro poderia ter ficado sentenciado, mas eis que Paulo Santos, um dos árbitros da partida, pretendeu ser protagonista e mostrou uma cartolina azul ridícula a Marco Barros “Tuga”, por este supostamente ter derrubado Carlos André Rodrigues no interior da área turquelense, quando as imagens da transmissão da HCTv provam o “embuste” da situação, criado pelo jogador da casa. Cartolina azul injustamente mostrada ao guardião turquelense e ida para a baliza do jovem Lucas Ferreira, de apenas 15 anos de idade, que foi para o “cara a cara” com João Candeias e levou a melhor ao defender o primeiro remate na penalidade e a recarga, afastando o esférico em seguida da sua frente. Em Under-Play os alvinegros aguentaram como puderam, mas não se livraram de sofrer novo golo, mais uma vez com Carlos André Rodrigues a marcar, depois de receber a bola na direita e de ter feito uma bela “picadinha” perante a oposição do miúdo Lucas Ferreira, almejando o 3-5 com que se chegaria ao final do encontro. Reposta a igualdade numérica, no que ao número de atletas em rinque diz respeito, o jogo desenrolou-se então com mais calma e menos “incidentes”, o HCT geriu a posse de bola e a pressão dos da casa foi sempre infrutífera, com os forasteiros a deverem a si próprios o facto de só terem vencido por duas bolas, pois tiveram uma mão cheia de vezes na cara de Joka e não mais conseguiram desfeitear o possante guarda-redes infantino. Valeram os três pontos importantíssimos e o ganho de confiança para os desafios que se avizinham.     

Ficha Técnica:

Local: Pavilhão do Clube Infante Sagres – Lordelo do Ouro (Porto)

Dia/Hora: 24 de março de 2018, às 17H

Competição: Campeonato Nacional da 1ª Divisão de Hóquei em Patins 2017/18 (19ª jornada)

Árbitros: Florindo Cardoso (Minho), Paulo Santos (Porto), José Manuel Pereira [3º Árbitro] (Porto), Carlos Tadeia [4º Árbitro] (Porto)

C. Infante Sagres: [92] Bruno “Joka“ Ferreira (GR), [7] Tiago Ferraz, [23] João Candeias (1), [88] Bruno Fernandes, [27] Carlos André Rodrigues (C) (2), [77] João Rodrigo Campelo, [11] Nuno Barata, e [66] Bernardo Castanheira. Não jogaram: [13] Pedro Magalhães (GR) e [3] Nuno Midões.

Treinador: Fernando Almeida

H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [4] Daniel Matias, [24] André Pimenta, [9] Vasco Luís (C) (4), [7] André Moreira, [10] Lucas Ferreira (GR), [22] Luís Silva (1) e [53] Pedro Vaz. Não jogaram: [57] João Silva “Janeka” e [58] Tiago Mateus.

Treinador: Nelson Lourenço

Faltas de Equipa: 13-8

Disciplina: Cartão Azul a [23] João Candeias (CIS) e [13] Marco Barros “Tuga” (HCT).

Resultado ao intervalo: 0-1

Resultado Final: 3-5

No próximo fim-de-semana não haverá competição em virtude das festividades pascais, pelo que o HCT volta a ação apenas no próximo mês, mais propriamente no sábado, 7 de abril de 2018 pelas 21 horas, com a receção ao “lanterna vermelha”, o Grândola de Nelson Mateus, que apesar de ter conseguido recentemente a primeira vitória da sua história na 1ª Divisão (4-3 em casa frente ao Infante Sagres), não conseguiu ainda “largar” a última posição da tabela classificativa. Na primeira volta em terras alentejanas o empate a três bolas surpreendeu os mais desatentos, mas a valia da equipa grandolense não deve nunca ser subestimada. Assim sendo, no dia 7 de abril, todos ao pavilhão para apoiar a nossa equipa e ajudá-la a dar mais um passo decisivo rumo aos objetivos.

Fotos de Arquivo: Carmo Honório