Acerto de calendário após compromissos europeus nos quais o Turquel saiu derrotado em casa frente ao Breganze (4-5) e o Benfica triunfou em Montreux, na Suíça, por 4-11. Tradicionalmente, os encarnados passam sempre um mau bocado na “aldeia do hóquei”, e o Gimnodesportivo de Turquel registou uma incrível enchente a meio da semana. Desta vez a história não foi muito diferente nos minutos iniciais, até fatores internos ao jogo, difíceis de perceber e controlar pelos jogadores (intervenientes diretos no espetáculo) entrarem na equação para desequilibrar ainda mais os pratos da balança. O HCT adiantou-se no marcador desde cedo e apesar de ter permitido a igualdade quase imediata, esteve sempre dentro do jogo, e em grande parte do primeiro tempo foi mesmo a equipa a criar maior perigo. No entanto, um azul completamente falso, visto por Vasco Luís, mostrado pela mesma dupla que, curiosamente ou não, apitou o jogo da primeira volta entre as duas equipas (4-0 para o Benfica na Luz), virou por completo o rumo do jogo e marcou a tendência do resto do encontro. Ao intervalo a equipa comandada por Nelson Lourenço já perdia por 1-4 e mesmo tendo feito um segundo tempo de intensidade forte e de constante ataque à baliza de Pedro Henriques, nunca conseguiu desfeitear o guardião encarnado e ainda viu a turma de Pedro Nunes fazer uso da sua superioridade e marcar por mais duas vezes, até ao 1-6 final.

Primeiro tempo, com entrada muito forte dos da casa, que logo aos quatro minutos se colocaram na frente do marcador, depois de Vasco Luís disparar uma “bomba” à frente de João Rodrigues e conseguir “furar” Pedro Henriques, ele que pareceu encoberto pela “floresta de pernas” que se encontrava à sua frente. O Benfica reagiu ao seu estilo, subiu as linhas defensivas e condicionou a transição ofensiva dos visitados, chegando à igualdade no minuto seguinte, depois de Nicolia roubar uma bola a Vasco Luís em zona subida e assistir magistralmente João Rodrigues para este encostar fácil. Dois minutos depois André Moreira foi isolado por Vasco Luís e no cara a cara com Pedro Henriques permitiu uma defesa de recurso ao gigante guardião encarnado, sendo que na sequência, num lance caricato, Vasco Luís evitou o choque com Carlos Nicolia e o argentino do Benfica traçou o cenário com uma queda aparatosa, sem que o capitão turquelense lhe tivesse sequer tocado. Miguel Guilherme e Ricardo Leão foram os únicos no pavilhão que transformaram uma simulação de Nicolia, em uma cartolina azul para Vasco Luís e o livre direto estava dado. Depois desta decisão, o próprio Carlos Nicolia avançou para a transformação do castigo, mas Miguel Guilherme voltou a querer ser protagonista e em duas situações seguidas interrompeu a marcação do livre direto, mostrando nova cartolina azul aos alvinegros, desta vez ao guardião Tuga, por se ter mexido duas vezes antes da bola partir, quando Nicolia trava claramente o movimento descendente do seu stique, fazendo uma ligeira simulação que não é permitida pelas leis. Tuga deu o seu lugar a Samuel Santos e o HCT ficou apenas com três elementos em rinque, após as suspensões temporárias de Vasco Luís e de Tuga. À terceira lá foi marcado o castigo, Nicolia atirou direto mas ao lado da baliza de Samuel Santos e em under-play (5x3), apenas com Pedro Vaz e Daniel Matias à frente de Samuel Santos, os turquelenses aguentaram como puderam e quase no final dos dois minutos para voltarem a repor os dois elementos em falta, sofreram o 1-2, com Diogo Rafael (regresso a casa no cinco inicial, tal como o seu irmão Tiago) a assistir João Rodrigues, que só teve de encostar ao segundo poste, concretizando o seu “bis” na partida. A partir daqui os turquelenses perderam um pouco o Norte e tiveram o seu pior período no jogo e, três minutos depois de se terem colocado em vantagem, os encarnados ampliaram a vantagem com Nicolia mais uma vez a roubar uma bola em zona subida, desta feita a Daniel Matias, e a assistir João Rodrigues que mostrou novamente o seu instinto goleador e atirou a contar para completar o seu “hat trick”, perante um Tuga (tinha reentrado, entretanto em rinque) completamente desamparado. O 1-3 foi sentido com “peso” por parte dos visitados e não foi de estranhar que os forasteiros voltassem a marcar, mais uma vez Nicolia a rodar na tabela de fundo e a assistir de forma magistral Adroher ao segundo poste que também só teve de encostar, depois de fugir à marcação de Luís Silva. Foi a terceira assistência de Nicolia no jogo e o 1-4 no marcador. Até final da etapa inicial destaque para nova bola isolada desperdiçada por André Moreira, boa defesa de Pedro Henriques, e para uma cartolina azul mostrada a Miguel Rocha, ele que derrubou de forma ostensiva Vasco Luís quando este último se isolava pela esquerda do seu ataque. Na transformação do devido livre direto o mesmo Vasco Luís disparou forte e direto, mas a bola embateu na trave da baliza de Pedro Henriques e o intervalo chegou logo depois.          

No segundo tempo o Benfica mostrou uma faceta que não lhe é tão característica, rubricando longos ataques organizados em posse de bola e esgotando muitas vezes o tempo de ataque, com o HCT a defender a contento e a conseguir criar boas situações de perigo junto da baliza benfiquista, às quais Pedro Henriques ia respondendo com mestria. Apesar de tudo, a etapa complementar foi mais enfadonha e só aqueceu aos doze minutos, quando Luís Silva e Diogo Rafael se desentenderam momentaneamente na entrada da área turquelense e ambos foram admoestados com a cartolina azul. A partir desse lance o jogo abriu e dois minutos depois Daniel Matias perdeu na dividida com Carlos Nicolia e o argentino, de forma quase inadvertida, lançou João Rodrigues que, isolado perante Tuga, fez o seu “poker” com uma “picadinha” de belo efeito, colocando o resultado em 1-5. Um minuto depois, num lance precedido de falta de Tiago Rafael sobre André Pimenta, as compensações nas marcações baralharam a defensiva alvinegra e o capitão visitante, Valter Neves, surgiu solto na área, desviando um passe aéreo de Tiago Rafael, fazendo o 1-6. Até final o Benfica ainda atingiu a 10ª falta de equipa, mas chamado à conversão do respetivo livre direto Janeka não conseguiu ultrapassar Pedro Henriques, que fez uma excelente defesa com a máscara.

Ficha Técnica:

Local: Pavilhão Gimnodesportivo de Turquel

Dia/Hora: 21 de fevereiro de 2018, às 21H

Competição: Campeonato Nacional da 1ª Divisão de Hóquei em Patins 2017/18 (16ª jornada)

Árbitros: Miguel Guilherme (Lisboa), Ricardo Leão (Lisboa), Paulo Carvalho [3º árbitro] (Leiria) e Vítor Roxo [4º Árbitro] (Leiria)

H.C. Turquel: [13] Marco Barros “Tuga” (GR), [53] Pedro Vaz, [4] Daniel Matias, [9] Vasco Luís (C) (1), [7] André Moreira, [10] Samuel Santos (GR), [22] Luís Silva, [24] André Pimenta, [57] João Silva “Janeka” e [58] Tiago Mateus.

Treinador: Nelson Lourenço

S.L. Benfica: [1] Pedro Henriques (GR), [14] Tiago Rafael, [4] Diogo Rafael “Chiquinho”, [5] Carlos Nicolia, [9] João Rodrigues (4), [7] Jordi Adroher (1), [2] Valter Neves (C) (1), [44] Miguel Rocha e [74] Miguel Vieira “Vieirinha”. Não jogou: [10] Guillem Trabal (GR).

Treinador: Pedro Nunes

Faltas de Equipa: 4-10

Disciplina: Cartão Azul a [9] Vasco Luís (C) (HCT), [13] Marco Barros “Tuga” (HCT), [44] Miguel Rocha (SLB), [22] Luís Silva (HCT) e [4] Diogo Rafael “Chiquinho” (SLB).

Resultado ao intervalo: 1-4

Resultado Final: 1-6

No próximo sábado, dia 24 de fevereiro de 2018 pelas 15 horas, o HCT desloca-se ao Dragão Caixa para defrontar o atual campeão nacional, F.C. Porto/Fidelidade, um conjunto que se encontra na terceira posição com 42 pontos, estando atrás de Benfica (44) e Sporting (43). A equipa orientada por Guillem Cabestany é das mais intensas do mundo e o ritmo que impõem em cada lance é avassalador para os adversários, sendo que nesta quarta-feira jogou em Viana do Castelo, frente à Juventude local, e goleou os minhotos por claros 2-7. Espera-se um encontro de grau de dificuldade elevadíssimo para os comandados de Nelson Lourenço, que terão de saber sofrer muito, caso queiram tirar alguma coisa deste jogo.

Fotos de Arquivo: Carmo Honório